top of page
  • Foto do escritorAssessoria MG Advocacia

Estou apto para voltar ao trabalho, mas a empresa não permite o retorno

Mesmo em casos em que o perito do INSS confirma a aptidão para voltar ao trabalho, algumas empresa não permitem o retorno. Entenda como proceder.


pericia-medica


Um trabalhador está recebendo algum benefício por incapacidade do INSS, como auxílio-doença. No entanto, após passar pela perícia, o perito confirma que ele recuperou sua capacidade laborativa e pode voltar ao trabalho. No entanto, quando o empregado procura o responsável na empresa, esta não permite o seu retorno, por entender que aquele ainda está incapaz. O resultado: o empregado fica sem receber o valor do benefício por incapacidade e sem sua remuneração.


A situação - chamada de "limbo jurídico previdenciário trabalhista" - é mais comum do que parece. Mas o que fazer diante disso?


Em primeiro lugar, importante destacar que o empregador nunca deve recusar a volta de um empregado nestes casos, via de regra. Isso porque a perícia médica oficial, realizada pelo INSS, tem presunção de veracidade, o que significa dizer que, a princípio, o que está contido na manifestação do perito é verdadeiro, isto é, válido enquanto não houver prova em contrário.


Sendo assim, o empregador, entendendo que seu empregado não está apto a retornar ao trabalho, deve recolocá-lo em uma função compatível, a ser definida pelo médico do trabalho. Ou, se impossível a readaptação, colocá-lo em disponibilidade remunerada até que o INSS restabeleça o benefício previdenciário.


Isso porque, enquanto o empregado recebe o benefício previdenciário, o contrato de trabalho fica suspenso. Mas, concedida a alta médica pelo INSS, tal suspensão contratual cessa. Assim, o contrato se restabelece e as obrigações dele decorrentes também, como o pagamento de salários. Neste sentido, é fato que o empregador não pode simplesmente recusar o retorno do trabalhador quando o INSS concedeu alta médica, simplesmente deixando de pagar os salários.


Ademais, importante destacar que a comunicação e a prova dela são fatores extremamente importantes. O empregador deve procurar documentar que convocou o empregado a voltar ao posto de trabalho, sob pena de este ser dispensado por "abandono". Da mesma forma, o empregado deve procurar comprovar que se colocou à disposição do empregador, para evitar que essa dispensa por abandono ocorra.


Para tanto, é possível que o empregado, por meio de advogado, ajuíze uma reclamação trabalhista em face do empregador, buscando a sua reintegração no posto de trabalho e/ou em função compatível com a lesão, se ainda houver incapacidade. Também é possível requerer o pagamento dos salários atrasados, desde a data da alta médica, até a efetiva reintegração/recondução, com reflexos desse período para fins de férias, 13º salário, abono de férias e FGTS, por exemplo. Ou ainda, pedir a condenação do empregador no pagamento de indenização a título de danos morais.


Além disso, é possível ajuizar ação contra o órgão previdenciário, a fim de restabelecer o benefício cessado, de modo que - enquanto este processo tramita - o requerente pode já ter conseguido sua readaptação na reclamação trabalhista, percebendo salários enquanto não tiver o benefício ativado judicialmente.


O que não pode ocorrer é o fenômeno denominado limbo jurídico previdenciário trabalhista, em que o trabalhador tem alta médica oficial dada pelo perito do INSS e o empregador, geralmente uma empresa, não o recebe no posto de trabalho, por considerá-lo inapto, ou seja, ainda incapaz.


Por isso é importante a atuação de um advogado especialista, a fim de que o caso seja avaliado e as ações possam ser ajuizadas buscando sempre o melhor para o cliente.


Se você ficou com alguma dúvida entre em contato clicando aqui, ou tire suas dúvidas pelo nosso Whatsapp clicando neste link.



380 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page